Posts Recentes
Posts Em Destaque

O digital não vai matar o off-line, o digital vai reinventá-lo

Recentemente, um executivo que está migrando seus investimentos para o online me perguntou se o off-line morreu e se agora é só o digital que importa.

Respondi que o digital está mais e mais importante, que tudo começa no digital, mas que os dois mundos dialogam. É o digital que vai fazer as coisas acontecerem no off-line pois o oceano do digital deságua no off-line.


Mas o off-line, o tete a tete, o produto físico, tudo isso continua existindo e é fundamental. Faz parte do humano interagir com outras pessoas. Faz parte do humano “ver para crer”.


Por outro lado, estamos cada vez mais digitais: pesquisando, interagindo, divertindo, comprando, jogando.O xis da questão é que o offline não vai morrer, como também, poderá se beneficiar do digital.


Mas de algo não há dúvidas: o princípio de uma nova marca, de um novo produto, precisa de ações digitais para se posicionar na mente do consumidor.


O posicionamento de uma marca é cada vez mais no digital

Al Ries, em seu polêmico livro The fall of advertising and the rise of PR, defende a tese de que uma marca para ser forte precisa primeiro começar com assessoria de imprensa (“PR”, para os mais íntimos) e só depois fazer publicidade.


Ries afirma a polêmica ideia de que a publicidade, sozinha, hoje não é capaz mais de criar marcas fortes.


Polêmicas à parte, a ideia é que o consumidor está cada vez mais exigente, possui mais informação e perdeu a credibilidade na publicidade. Em outras palavras, ele perdeu a confiança no que a própria marca fala de si mesma.


O consumidor se importa mais com o que formadores de opinião e seus conhecidos falam sobre alguma coisa. Vejamos o mais recente e retumbante sucesso do marketing, tanto do ponto de vista do produto quanto do marketing: Pokémon Go.


Pokémon Go é um verdadeiro case de sucesso do digital que reinventa o off-line


Pokémon Go é um verdadeiro caso de sucesso em PR. Vejamos 3 dos seus principais fatores de sucesso:

  1. Antes de tudo, o produto é excelente para o que se propõe e tem grande público, o que é fundamental;

  2. começou em poucos lugares e foi expandindo, o que gerou buzz e grande expectativa;

  3. todas as mídias, das mais tradicionais às sociais, passando pelos mecanismos de busca, tinham grande volume de informação, engajamento e interesse sobre o game.

Não a toa, Pokémon Go já atingiu cem milhões e, que eu saiba, não fez nenhuma ação de advertising.


E caso tenha feito ou venha a fazer, estará amplamente amparada no que os jornais, blogs, redes sociais e mecanismos de busca têm falado sobre o game.



O digital não vai matar o analógico, vai tomá-lo por completo


Por fim, Pokémon Go subverte um pouco a ordem de tudo. Ele não é como um Angry Birds ou um infoproduto, que são totalmente digitais. Nem é algo que começa no digital e termina em algo físico.


O Pokémon Go torna o off-line e a localização real do jogador partes essenciais da brincadeira: é preciso ir às ruas para jogar, é preciso se movimentar.


Alguém se arrisca a dizer se o Pokémon acontece mais no digital ou no off-line?


O Pokémon Go é emblemático porque talvez seja o primeiro caso em que é completamente digital e completamente mundo físico. Uma união como nunca se viu, ainda mais considerando sua capacidade de gerar tantos fãs em tão pouco tempo.


Esse é o futuro das marcas: fazer muito PR e conseguirem ser, ao mesmo, tempo digital e off-line para seus clientes.


Comece no digital, reinvente a vida do seu cliente e seus clientes amarão a sua marca.







Via Conversion

Siga
Procurar por tags
Arquivo
  • Facebook Basic Square
  • Instagram Social Icon
  • LinkedIn Social Icon
  • Google+ Basic Square
  • Twitter Basic Square

Desde 2016 - 2021  ® Todos Direitos Reservados a Agência X10 Publicidade e Marketing Digital