As 7 principais estratégias de Marketing Digital para ter um ecommerce de sucesso


Você tem um negócio online ou pretende ter e não sabe por onde começar para ter boas vendas?


Não é mais segredo para ninguém que a internet está dominando tudo, principalmente no ramo de vendas. Hoje em dia é habitual os usuários efetuarem compras pela internet, tanto pela praticidade de compra quanto pela diversidade de opções de produtos e empresas.


Um negócio online funciona da mesma forma que um negócio físico, onde você precisa estar presente, separar estoque, ter um bom atendimento, entender e se relacionar com seu público e, principalmente, planejar estratégias para vender e divulgar sua marca.


É aí que surge a primeira pergunta: o que fazer para conseguir ter um ecommerce de sucesso?


Posso responder essa pergunta com uma resposta simples e direta: Marketing Digital.


O Marketing Digital trará muitas soluções, abrangendo diversos tipos de estratégias que se encaixam em diversos tipos de negócios e que proporcionam diversos tipos de resultados, dependendo, é claro, de cada estratégia.


Preparamos esse post com as 7 principais estratégias de Marketing Digital para que você consiga ter uma base de quais melhores táticas e canais para sua loja virtual e, assim, atingir seu público e ter o tão sonhado sucesso online.


1. Google AdWords


Com o Google AdWords, você pode aumentar sua exposição dentro dos resultados de busca do Google. É a estratégia que a maioria das empresas utilizam, já que proporciona um alcance grande e imediato, gerando mais tráfego para o seu site e ótimos resultados em curto prazo.


Existem dois tipos de campanhas:


Rede de Pesquisa

Exibe anúncios nas páginas de resultados do Google ou em redes de pesquisa parceiras do buscador.


Esse tipo de campanha funciona como uma espécie de leilão: você diz ao Google qual palavra-chave quer “comprar” e quanto você quer gastar nela.


Por exemplo, imagine que você tem um ecommerce de roupas masculinas e você sabe que quem quer comprar jaquetas vai ao Google e busca por “comprar jaquetas masculinas”.


Sabendo disso, você vai ao AdWords e diz que seu anúncio aparecerá sempre que alguém digitar essa palavra-chave exata e que quer pagar R$ 0,50 por cada vez que alguém clicar em seu anúncio.


Dependendo do lance que você der e de alguns outros fatores, o Google vai exibir seu anúncio mais para cima ou mais para baixo.



Rede de Display

Exibe anúncios em milhares de sites e blogs parceiros do Google.


A ideia aqui é tentar entender por onde seu público navega e criar banners que apareçam em locais estratégicos.


Se você vende ternos, talvez uma parte do seu público seja de empresários que leem artigos no site Administradores.com, logo seria uma ótima oportunidade ter banners seus por lá, como o Waze fez na imagem abaixo:



Custo de investimento

Você não precisa de um investimento gigante para anunciar no Google AdWords, porém existe sempre uma relação entre o valor de investimento e o tempo de retorno.


Isso acontece por causa do modelo de cobrança do AdWords. Primeiro você define um orçamento diário que deseja gastar. Esse valor pode ser bem baixo, mas sempre aconselho que comece com no mínimo R$ 10 por dia.


Depois você escolhe como pagar o Google. Existem os seguintes modelos de cobrança:

  • CPC (Custo por Clique): valor cobrado de você por cada vez que alguém clica em seu anúncio;

  • CPM (Custo por Mil): valor cobrado de você por cada mil impressões de banners. Esse modelo é exclusivo da Rede de Display;

  • CPA (Custo por Aquisição): valor cobrado apenas quando uma conversão é realizada. No caso de um ecommerce, a cobrança pode ser feita a cada venda.

Uma vez que você definir o valor diário e escolher o modelo de cobrança, o limite de visitantes no seu site será definido pelo lance que você faz.


Por exemplo, se você definiu que seu orçamento diário será mesmo R$ 10 e quer pagar R$ 1 por cada clique, você receberá no máximo 10 visitas ao seu site.


Para saber mais, leia também o post Entenda o que é CPC, CPM e CPA.

O segredo para se dar bem no AdWords é exatamente entender quais anúncios que estão dando bons resultados e gerenciar os custos de cada palavra-chave comprada.


Dicas
  • Ao decidir quais palavras-chave irá comprar faça uma pesquisa antes. Existem diversas ferramentas que você pode utilizar, como o próprio planejador de palavras-chave do AdWords ou pelo Google Trends, entre outras diversas ofertadas na internet;

  • Para ter uma boa campanha você precisa fazer um bom planejamento, com levantamento de personas para entender quais as melhores formas de se comunicar com seu cliente;

  • Também é imprescindível uma boa análise de mercado para você entender quais demandas seu mercado tem na internet e quais são seus concorrentes, executando com inteligência e tendo uma grande probabilidade de bons resultados.

2. Remarketing


Remarketing, também conhecido como retargeting, é uma estratégia para conquistar aquele usuário que entrou na sua loja virtual mas por algum motivo não comprou.


Você já deve ter entrando em algum ecommerce, visualizado um produto e, de repente, em todo canto que você vai esse produto aparece para você. Isso é remarketing.


Isso ajuda a fazer o visitante lembrar do produto pelo qual se interessou e aumenta significativamente as chances dele voltar e comprar.


Você pode aplicar esta estratégia usando o Google AdWords, aparecendo em sites parceiros do Google, ou Facebook, aparecendo dentro da rede social enquanto seu visitante navega por lá.


3. SEO


Search Engine Optimization (mais conhecido como SEO, que em português significa otimização para mecanismos de busca), é um conjunto de técnicas que tem um único objetivo: melhorar seu posicionamento nos resultados orgânicos (gratuitos) dos mecanismos de busca. O principal deles é, obviamente, o Google.


Diferentemente dos anúncios pagos, o SEO é uma estratégia de médio à longo prazo, pois você precisa que o Google encontre seu site, avalie que você é relevante para seu setor e dê uma posição menor ou maior.


O tempo mínimo para essa estratégia surtir efeito é de 3 meses. Pode parecer muito, mas os resultados são ótimos, pois, além de receber visitas sem pagar por elas, você terá visitantes muito mais propensos a comprar.


Para que a estratégia funcione você deve pensar em tudo desde o momento do desenvolvimento da sua loja virtual. Veja os principais pontos a se considerar:


Tenha um blog para sua loja virtual

Essa é a melhor dica que posso dar em relação à SEO para seu ecommerce.


Com um blog você poderá impactar sua persona em diversos momentos, agregando muito mais valor à sua marca e ajudando com suas vendas. Quanto mais conteúdo você tiver, mais autoridade sua marca terá no mundo online.


Por exemplo, a Munneart, um ecommerce que vende produtos de artesanato, possui um blog em que fala de artesãos, da valorização da cultura nordestina e seus artesanatos. Ao final de cada post, há links para produtos que tenham a ver com aquele assunto.


Atualmente o fator mais importante para o Google posicionar bem um site é a qualidade do conteúdo. O buscador possui algoritmos avançados com inteligência artificial e consegue identificar se o seu texto é original e possui relevância para uma pessoa que busca por um determinado assunto.


Tenha uma loja virtual otimizada

Além do conteúdo, o Google considera a estrutura do seu site para encontrar suas páginas e

considerar sua relevância para os visitantes.


Imagina que você está em uma biblioteca e precisa encontrar o livro As Crônicas de Gelo e

Fogo. Para localizá-lo você irá primeiro na seção do livro — no caso Livros de Fantasia —

depois irá procurar pelos livros que começam com a letra A até encontrá-lo.


E como saber se o livro é interessante para você?


Uma vez com o livro em mãos você olhará a capa, lerá a sinopse na contracapa e talvez até verá o primeiro capítulo para então decidir se é um livro que agrada e que irá comprar.


O Google age da mesma forma para encontrar suas páginas e entender se o seu conteúdo é bom ou não. Ele vai usar dos artifícios que suas páginas possuem para classificá-las, portanto é importante que, desde a criação da loja virtual, você já preste atenção se a mesma vem preparada para SEO. Assim vai ser bem mais fácil de executar as otimizações que o buscador exige para ranquear.


Os principais pontos que você deverá otimizar são:


URL da página


A URL do seu site precisa ser amigável, sem aqueles milhares de números e letras, e é de extrema importância que aqui contenha sua palavra-chave principal.


Todas as página do seu site precisam ter um título e uma meta description com a palavra-chave principal que você deseja que está página seja encontrada.O título é o principal fator que o Google considera ao exibir os resultados de uma busca, portanto use palavras de intenção de compra.Por exemplo, se sua loja tem uma categoria de jaquetas masculinas coloque no título “Jaquetas masculinas – Compre aqui” ou “Compre jaquetas masculinas”, assim quando alguém usar a palavra-chave “comprar jaquetas masculinas” será mais fácil


você ter uma boa posição pois seu título contém todas as palavras-chave buscadas;

Responsividade


Sua loja virtual tem que ser apresentável e disponível para todos os tipos de dispositivos. O Google também analisa esse fator na hora de classificar suas páginas;


Velocidade


Seu site precisa ter um carregamento rápido de informações, pois a maioria dos usuários — por mais interessados que estejam no seu produto — vão abandonar seu site se ele demorar muito para carregar. Leia mais sobre o assunto no post Velocidade do site: aprenda a testar e deixar sua página mais rápida ;


Estrutura de informação


Todas as páginas do seu site devem se comunicar entre si, elabore suas categorias e subcategorias como uma pirâmide, onde uma coisa sempre leva para outra. Deixe seu conteúdo sempre acessível, com no máximo 3 cliques para chegar em uma página;


Por exemplo, se você é dono de uma loja de roupas unissex e uma cliente está a procura de “vestido curto”, separe suas categorias pensando nos cliques da sua cliente até chegar nesse produto:

  • 1º clique na home;

  • 2º clique na categoria de roupas femininas;

  • 3º clique na subcategoria de vestidos.

Design


O design do site pode ajudar na sua otimização de buscas, pois, se suas páginas forem agradáveis, os usuários ficarão mais tempo no seu site. Sem contar que um bom design influencia bastante nas vendas do seu ecommerce;


Links internos


Sempre coloque links do seu site dentro das suas páginas. Eles devem se relacionar com algo que você está oferecendo e trazerem alguma coisa a mais para o seu cliente. Faça isso, por exemplo, com posts relacionados ou produtos relacionados no final de toda página;


Uso correto das palavras-chave


Otimize tudo do seu ecommerce com palavras que você realmente pesquisou e viu a relevância delas para os clientes. Pesquise a forma com que os seus clientes buscam pelo que você oferece e coloque essa palavra nos textos dos seus conteúdos (posts de blog, descrição de produtos etc.);


Caso você ainda esteja abrindo sua loja virtual use esses itens como critério para escolher sua plataforma, caso contrário você corre o risco de ter uma loja virtual que não é encontrada e viverá dependendo de investimentos em anúncios pagos.


4. Redes sociais


Falar hoje em dia que você deve estar nas redes sociais é tão óbvio quanto dizer que você precisa de um email para se comunicar.

Porém existem alguns pontos importantes para você ter sucesso ao usá-las a favor do seu ecommerce.


A primeira coisa é que você não precisa estar ativo em todas as redes sociais. Você precisa entender em quais a sua persona se encontra e começar a se comunicar por lá.


Outro ponto importante é que cada dia as redes sociais diminuem o seu alcance orgânico. Em outras palavras, cada vez menos pessoas veem suas postagens sem que você tenha que desembolsar algum dinheiro.


Isso significa que redes sociais se tornaram ruins? Não mesmo! Você continua conseguindo impactar pessoas de forma gratuita, porém você vai ter mais trabalho pois terá que manter uma frequência alta de postagens e ter mais seguidores.


Quando e onde devo fazer campanhas pagas?

Realizar campanhas é sempre um risco pois existe sempre a possibilidade do seu retorno ser menor do que o valor investido. Porém uma vez que você entende o público que melhor reage à seus anúncios, ter campanhas rodando se torna um mecanismo essencial para o crescimento do seu ecommerce.


A dica é sempre começar pequeno sem expectativa de receita no primeiro momento. Uma vez que você encontrar a fórmula perfeita entre segmentação do público e texto/imagem do anúncio, você aumenta seu investimento.


Você saberá que atingiu essa fórmula perfeita quando a média das vendas realizadas por meio dessa campanha for maior que a média do custo por cada venda.


Por exemplo, se você teve 3 pedidos vindos de uma campanha que somam 500 reais e você gastou 250 reais em uma campanha, significa que você recebeu em média R$ 166,66 por pedido e gastou R$ 83,33 para conquistar cada um desses pedidos.


Você pode fazer campanhas pagas nas seguintes ferramentas:

  • Facebook Ads: serve tanto para o Instagram quanto para o Facebook. Como benefício você aumenta sua base de fãs, direciona seu cliente para produtos na loja virtual, divulga promoções, conteúdos, engaja publicações, entre outros;

  • Google AdWords: se você quer anunciar no YouTube será por meio dessa ferramenta;

  • Twitter Ads: aqui você pode promover suas publicações, sua própria conta para conquistar seguidores ou um determinado assunto para aparecer no Trending Topics.

5. Email Marketing


Muitos dizem por aí que o Email Marketing está morto, porém isso está longe de ser verdade. O Email Marketing é uma das estratégias mais usadas pelas empresas, pois quem utiliza a internet e não tem um email?


A dica mais importante aqui é: nunca compre base de dados de emails. Construa a sua como quem constrói sua própria empresa tijolo a tijolo.


Como construir minha base de emails