Please reload

Posts Recentes

Como a experiência do cliente fica melhor com marketing digital?

May 7, 2018

1/10
Please reload

Posts Em Destaque

Qual a diferença do Telegram para o WhatsApp?

June 2, 2020

 

Ao contrário do aplicativo de mensagens WhatsApp, o Telegram é um mensageiro baseado em nuvem com sincronização contínua.

Como revelado pelo blog da plataforma,o usuário pode acessar mensagens de vários dispositivos ao mesmo tempo, incluindo tablets e computadores, e compartilhar um número ilimitado de fotos, vídeos e arquivos (doc, zip, mp3, etc.) de até 1,5 GB cada.

“Graças à nossa infraestrutura de múltiplos data centers e criptografia, o Telegram é mais rápido e muito mais seguro. Além disso, o Telegram é gratuito e continuará gratuito — sem anúncios, sem taxas de assinatura, para sempre”, afirma a descrição.

 

 

 

Descubra se alguém está espionando suas mensagens pessoais por meio do WhatsApp Web

 

 

O usuário pode usar o Telegram em smartphones, tablets e computadores. O app está disponível para iOS (9 e superior), Android (4.1 e superior) e Windows Phone. Também é possível utilizar a versão web ou instalar aplicativos desktop para Windows, macOS e Linux.

“O usuário pode fazer login no Telegram a partir de quantos dispositivos desejar — tudo ao mesmo tempo. Basta usar o número do seu celular para fazer login em todos os lugares”, explica.

Outras funções

Ainda de acordo com o app de mensagens, o rival do WhatsApp ainda conta com outras funções. Os grupos do Telegram podem ter até 200 mil membros, com administradores com ferramentas avançadas para gerenciamento.

 

 

 

Função ‘chat secreto’ do app Telegram conta com recurso de ’mensagens autodestrutivas’

 

 

O Telegram ainda tem pesquisa de GIFs animados, editor de fotos avançado e plataforma aberta de stickers. Com o suporte à nuvem do Telegram e as opções de gerenciamento de cache, o Telegram pode ocupar quase zero de espaço do smartphone.

Por último, os Chats Secretos específicos por dispositivo contam com mensagens, fotos e vídeos autodestrutivos.

 

 

 

Fonte: Metro Jornal

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga